Meu nome é BLÓGUI DÓGUI AMARAL AU-AU


Meu nome é BLÓGUI DÓGUI AMARAL AU-AU

Sou um poodle, quase TOY, que cresceu mais do que o esperado. Apesar do susto, minha dona continuou (e ainda é) tresloucadamente apaixonada por mim. Ela deve ser a mulher que serviu de modelo para a expressão FIDELIDADE CANINA. Um exemplar desses pobres e belos humanos...

Aqui, com sua ajuda, tentarei compreender a cabeça dessa mulher.

Enquanto isso, vou levando minha sempre curiosa VIDA DE CÃO.


A voz de minha dona


Tenho sentido muita saudade, mais muita mesmo, de minha dona. Depois que ela viajou, quase todos os dias escuto a voz dela saindo espremidinha de dentro de uma caixinha:

— Que saudades do meu cachorrinho! Como vai esse meu amor com peeelos? Blóóóguiii! Olá querido! Blógui Dóóóguiiii...

E sempre é a mesma história: quando me dou conta, já saí correndo e já pulei no colo do primeiro que vier desligar a campainha angustiante daquela caixinha que tem gente dentro. Fico apavorado, sem entender como minha dona fica escondida lá dentro, se ali mal cabe meu focinho. Fico esperando por ela, paralisado, apesar de meu rabo ficar batendo incontrolável, mais rápido que meu coração. E ela continua me chamando com voz calma, como se não estivesse acontecendo nada. Será que não dói ficar presa lá dentro? Depois, quando acaba, fico sentado na varanda, olhando, farejando, esperando... Quando será que ela vai sair do castigo? Por que não arranha a caixinha por dentro, pra alguém vir abrir? Será que ela dormiu?

Um comentário:

Aujudando Aumigos disse...

Doguito aumigo:

Quando ninguém estiver vendo, pula em cima da caixinha e arranha muito, aí ela saí de lá de dentro...boa sorte viu??
Beijo,
Scully